Salto para a vida | Programa intercâmbio Brasil X Australia
16619
page-template-default,page,page-id-16619,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-10.1.2,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1,vc_responsive
 

Programa intercâmbio Brasil X Australia

“Sou categórico em dizer que a experiência vivida pelos dois jovens aqui do Vale do Ribeira através  do Instituto Salto Para a Vida  Adhemar Ferreira da Silva  que proporcionou a oportunidade deles poderem fazer parte do intercambio esportivo cultural na Austrália foi algo fantástico. Imaginem para um jovem de uma região considerada a mais pobre do estado de São Paulo, com IDH baixíssimo, sem oportunidades de afirmação, poder através do esporte conhecer outra cultura, compartilhar suas experiências, isso é algo que marca para vida toda. Antes de formarmos atletas precisamos dar aos jovens e crianças a perspectiva do sonho, pois ele é o alimento essencial para vida, e isso que plantamos aqui no Vale do Ribeira, sonhos… como aqueles que Adhemar semeou pelo mundo inteiro através de sua dedicação ao esporte e sua genialidade.”

                      Júlio Cesar Costa. Atletismo No Ribeira ( Vale do Ribeira -SP)

No dia da prova, Adhemar estava muito tranquilo.

Era 27 de Novembro de 1956  e 100 mil pessoas estavam reunidas no estádio olímpico.

Nosso campeão percebeu que um grupo de estudantes australianos agitava o alambrado. Resolveu falar com eles  e foi recebido com alegria e admiração pelos jovens torcedores.

Conversaram longamente sobre como ser um campeão na vida. Quando a prova se iniciou, o grupo de torcedores começou a gritar seu nome sem parar. Fizeram uma tremenda algazarra, mas, quando chegava à vez de Adhemar saltar, pediam silencio ao público.

Adhemar ficou emocionado e entusiasmado com a brincadeira.

Na ultima tentativa, com o salto magnífico, Adhemar cravou 16,35m, tornando-se bi campeão olímpico e único atleta a ganhar 2 medalhas de ouro para o Brasil em olimpíadas consecutivas.

Com esse salto, Adhemar estabelecia o novo recorde olímpico para a prova.

O grupo de jovens australianos  chorou  de alegria. A cena emocionou o público presente. Ela refletia o forte envolvimento dos garotos com o ídolo que tinham conhecido naquela manhã.

Adhemar soube retribuir o carinho dos jovens. Aproximou-se novamente do grupo e agradeceu a vibração de todos. Ao  mesmo  tempo  em que batia palmas, o bi campeão afirmou que a medalha fora ganha por eles; sabia que, no momento do salto, aqueles jovens estavam na pista com ele.

Vinte anos  depois dessa conquista, 1976, Adhemar estava trabalhando em uma exposição sobre o Brasil, promovida pelo Itamaraty em Cingapura, quando foi abordado por um casal que queria visitar o evento. Ele explicou que se tratava de uma exposição dirigida a um publico restrito e só mediante a apresentação do convite oficial seria possível o ingresso. O Casal lamentou. A moça comentou que gostava muito do Brasil. Tempos antes, conhecera em Melbourne,  um bicampeão olímpico Brasileiro, e a partir de então lhe interessava tudo o que lhe dizia respeito o nosso país. Surpreso, Adhemar perguntou se ela se recordava o nome do Atleta. De bate-pronto, ela respondeu: “Da Silva, bi campeão no salto triplo”.

Era o casal  Rosemary e Mildred Mula, australiano.

Rosemary pertencia   àquele grupo de estudantes que vibrou com a conquista do bi campeonato de Adhemar.

(trecho extraído do livro “Herói Por Nós”, Tania Mara Siviero, DBA,2000)

SALTANDO SEM ADHEMAR

Em 12 de  janeiro de 2001, Adhemar sofre uma parada respiratória, seguida de uma parada cardíaca e terminava, assim, a sua história de 74 anos vivida no planeta.

 

A notícia de sua morte rodou o mundo e, claro, chegou à Austrália, causando muita dor e sofrimento à  Rosemary, que conforme diz, teve na figura de Adhemar um norte para a sua vida, muito mais forte do que a figura de seu próprio pai. Adhemar nunca sonhou isso.

 

Num dia qualquer de 2002, Rosemary Mula ouve o pedido de ajuda para a compra de agasalhos esportivos, feito por alunos de uma escola pública de Sydney, localizada num bairro carente da cidade , através do popular programa radiofônico de Allan Jones . Imediatamente ela se movimentou para conhecer a escola e suas necessidades. Disposta a cooperar, cria uma bolsa de estudos, para alunos dessa escola, com o nome de Adhemar Ferreira da Silva.

 

A escola é  Westfield Sports (http://westfieldsports.nsw.edu.au/), projeto pioneiro na Austrália, de  escola de primeiro e segundo graus, totalmente voltada para os esportes, experiência hoje  replicada em todo  o país. Rúgbi,futebol, natação, ginástica rítmica e olímpica ,atletismo, dança e outras modalidades, aparelhada com centro médico e fisioterápico .Uma experiência que produziu, e produzirá, atletas olímpicos.

 

Em maio de 2003, numa noite especial com a presença de Allan Jones, do Cônsul do Brasil, do casal Mula, do diretor da escola, técnicos, alunos e de Adyel Silva, filha de Adhemar e atual Presidente do Instituto Salto Para a Vida Adhemar Ferreira da Silva ,levada à Austrália pelo casal, foi anunciado o nome do primeiro ganhador da Bolsa –  John Thornell ,jovem atleta de Salto em Distância. Adyel Silva, ao entregar o prêmio a John Thornell fez, publicamente, o convite feito pela CBAT (Confederação Brasileira de Atletismo) através de seu, então Presidente, Roberto Gesta de Mello, para a sua participação no Troféu Brasil, que aconteceria no mês seguinte.

 

A bolsa, disputadíssima hoje , é o resultado de marcas, índices e da melhor monografia sobre o atleta brasileiro. Alunos australianos de Westfield  preservam a memória de Adhemar, conhecem a respeito do nosso país e estreitam relações de amizade.

 

Em 2006, Dan Suchy, técnico  e responsável pela área de atletismo da escola, chega para o Troféu Brasil trazendo consigo o entusiasmado convite feito pela Westfield ,de fazer o caminho inverso , com um jovem atleta brasileiro.

 

A ponte foi construída. O caminho está aberto e queremos ampliá-lo.